Arrefecimento: o que é e como funciona

arrefecimento

Embora ninguém precise ser um técnico em automóveis antes de adquirir um, alguns conhecimentos básicos fazem toda a diferença na hora de alguns apertos. Entre esses conhecimentos considerados básicos está o sistema de arrefecimento. Afinal, esse sistema é uma parte importante do funcionamento do motor que funciona a partir de uma espécie de explosão.

Conhecer um pouco sobre a mecânica e o funcionamento do motor e seus componentes pode evitar algumas dores de cabeça. São conhecimentos válidos para momentos de imprevistos ou até mesmo para visitas regulares ao mecânico. Ao demonstrar o mínimo de conhecimento, além de adiantar o diagnóstico do problema, você pode evitar ser enganado por técnicos mau intencionados.

Por essa razão, selecionamos a seguir as principais informações sobre o sistema de arrefecimento e seu funcionamento.

O Que é Para Quê Arrefecimento?

O arrefecimento é o sistema responsável por manter o carro a uma temperatura ideal. Para o funcionamento pleno, essa temperatura deve sempre estar na faixa dos 90º Celsius. Por funcionar a partir de uma espécie de explosão, o motor esquenta bastante. O arrefecimento, então, é responsável por manter o propulsor frio o suficiente para equilibrar a temperatura. Assim, funciona também como uma espécie de proteção para que as peças em redor do motor não derretam. O sistema é, então, o equilíbrio para que as peças não danifiquem com a alta temperatura e nem o carro deixe de funcionar perfeitamente por causa de baixa temperatura.

Como Funciona o Sistema de Arrefecimento?

O sistema de arrefecimento possui em sua composição 50% de água desmineralizada e 50% de de aditivo à base de etileno glicol. Essa composição percorre a parte interna do motor através de mangueiras, de forma que não entre em contato com os seus componentes, e segue para o motor. A fim de manter o equilíbrio, o sistema funciona com o controle de fluxo feito por uma válvula termostática. De maneira geral, sua função é liberar a água quando o motor atinge determinada temperatura, e bloqueá-la a fim de que não esfrie o motor e prejudique o seu funcionamento.

Como uma espécie de reservatório, a água fica previamente acumulada no vaso de expansão. Isso acontece, na verdade, enquanto o carro não está em movimento. Entretanto, quando está em movimento, todo o sistema veicular faz com que esse líquido faça a sua circulação e cumpra o seu papel. Como auxílio no controle de temperatura, a ventoinha funciona como uma espécie de ventilador a direcionar o vento corretamente para dentro do motor.

Quais os Problemas Mais Comuns?

De maneira geral o arrefecimento  apresenta sempre os mesmos problemas. O mais comum entre eles é a baixa do nível do líquido. Isso acontece por causa da falta de atenção do condutor em relação ao período de troca, ou a vazamentos não identificados no bloco do motor ou na mangueira da bomba de água.

O problema também pode estar na perda das propriedades que inibem a corrosão. Nesse caso, forma-se uma ferrugem que acaba por danificar o motor. Também pode acontecer de a ventoinha parar de funcionar. Quando isso acontece, os resíduos entopem as canaletas do motor. Dessa maneira, o ar que ventila o motor fica impedido de circular de forma que o líquido do arrefecimento não tenha a temperatura controlada como deveria.

Outros problemas podem surgir no sistema. Eles podem estar na danificação da tampa do radiador, da junta do cabeçote do motor ou até mesmo da bomba de água. Ao identificar a origem do problema, resolvê-lo se torna uma tarefa muito mais fácil.

Como Fazer a Troca do Fluido?

Embora algumas vezes seja suficiente completar o nível do fluido, na maioria das vezes o melhor é trocá-lo por completo. Trata-se de um processo considerado simples, entretanto, o ideal é que seja feito por um mecânico.

O primeiro passo é  se certificar de o motor o esteja frio. Em seguida, é preciso esvaziar o compartimento do arrefecimento. Apesar de ser um processo possível de ser feito de maneira manual, também há aparelhos que podem ajudar a ação. É necessário abrir o respiro do sistema após esse esvaziamento. Isso evita a formação de bolhas de ar dentro das mangueiras.

Depois, é só colocar o novo fluido observando sempre a proporção correta entre a água e o aditivo. Durante essa parte do processo, é importante verificar se o líquido está saindo pelo respiro do sistema de arrefecimento.

Por fim, para evitar problemas decorrentes da troca, é necessário checar funções como estanqueidade e pressurização do sistema. Assim, o condutor consegue garantir que a troca seja efetiva, e evitar problemas decorrentes do processo.

A frequência com que o fluido deve ser substituído é indicado no manual do proprietário de cada carro. São medidas estipuladas em quilômetros percorridos ou tempo da última troca. Assim, é possível cuidar da necessidade de pessoas que usam o veículo diariamente ou esporadicamente.

[]
1 Step 1
Assine nossa newsletter e aprenda a tornar sua frota mais eficiente, sustentável e automatizada!
keyboard_arrow_leftPrevious
Nextkeyboard_arrow_right
Gostou? Então compartilhe!

Comments are closed.