Custo total de propriedade: o que é e como calcular

custo total de propriedade

O Custo total de propriedade, ou TCO, é a estratégia de análise utilizada para avaliar os custos de vida e de aquisição de um produto, de um ativo ou de um sistema. Em inglês, a sigla é traduzida por “Total Cost Ownership”.

O TCO, na  prática, ao ser calculado corretamente, indica quais são os impactos positivos e negativos das aquisições de produtos, máquinas e até serviços. Na gestão de frotas, a técnica é muito utilizada e apreciada no momento da tomada de decisões, especialmente quando se trata de aquisições. Nessa análise alguns aspectos são alvos de especial e atenção. É o caso, por exemplo, do orçamento e planejamento, da gestão dos ativos, do ciclo de vida dos serviços e equipamentos, da seleção de fornecedores, das decisões de compra ou locação; dentre outros.

O TCO e o Ciclo de Vida das Aquisições

Um dos pontos centrais da análise do TCO, é a consideração do ciclo de vida do equipamento ou serviço. Entretanto, para que se analise os custos depreendidos de todo o ciclo de vida, é preciso, primeiramente, identificar qual vida está sendo tratada. Na verdade, um bom cálculo de TCO considera todas as vidas possíveis.

Primeiro, a vida depreciável deve ser considerada. Ela diz respeito ao tempo em anos em que um ativo será depreciado. Ou seja, a cada ano deve-se fazer o cálculo da depreciação considerando as normas específicas para cada situação.

Além da vida depreciável, o TCO também deve considerar em anos a vida econômica do ativo. O que significa dizer que o cálculo deve compreender a taxa de retorno de valores para o proprietário. Assim que os custos com determinado ativo sobreponham o retorno que ele oferece, é hora de repensar a sua utilização.

Por fim, a vida útil de um ativo também é elemento importante no TCO. Afinal, trata-se do período em anos em que a aquisição consegue ser útil ao proprietário.

Como Calcular o TCO

No cálculo, efetivamente, três fases da aquisição devem ser consideradas, desde a aquisição, implantação a manutenção do objeto de análise.

Aquisição

Como o próprio nome diz, nesta etapa considera-se todos os custos envolvidos pela aquisição. Isso inclui os investimentos necessários para o seu pleno funcionamento. Na gestão de frotas, por exemplo, o custo de aquisição deve considerar  reposição periódica de peças, a estrutura operacional e tudo o mais que seja necessário ao desempenho da aquisição.

Implementação

Além da aquisição, o CTO também deve inserir em suas análises o custo de implementação dos serviços. Analisando em conjunto os custos da preparação da estrutura física para que o serviço seja implementado e garanta a segurança dos veículos. Da mesma maneira, incluem a análise gastos com internet e tudo o mais ue componha a implementação da aquisição.

Manutenção

Por fim, o TCO deve considerar também os custos de manutenção da aquisição. É o caso, por exemplo da necessidade contratações para a operação, ampliação de instalações  e outras possibilidades.

Feita a análise e levantamento de todos pertinentes aos fatores anteriormente citados, há ainda outras questões a serem consideradas. É importante, por exemplo, que o gestor conheça profundamente os objetivos do investimento.

Em seguida, é necessário que se levante o contexto financeiro para a efetivação do investimento. Além disso, é necessário estipular as amostras temporais para os cálculos do TCO.

Com todos os dados em mãos é possível fazer a análise correta dos impactos de determinada aquisição. Em seguida, estará claro sobre a natureza de positividade ou negatividade da operação. Com o resultado da análise, as demais decisões estarão direcionadas. Embora novos desafios surjam continuamente, estar pautado em informações seguras permite ao gestor que caminhe mais tranquilamente pelos ambientes das decisões.

Gostou? Então compartilhe!

One Response